domingo, 20 de setembro de 2009

HIV-AIDS Esclarecimentos e comentários

Tenho recebido muitos comentários a respeito do post - HIV-AIDS Uma mentira bilionária e assassina - por isso, para responder a todos da melhor forma possível, resolvi criar esse post, onde vou mostrar-lhes os motivos que me levam a dar uma certa cridibilidade aos pensamentos de Peter Duesberg.

Antes que alguém me mande uma ameaça de morte ou uma bomba pelo correio, vamos esclarecer algumas coisas aqui... Eu adoro uma boa discussão, principalmente se ela for baseada em fatos científicos e bons argumentos... Ahh! os argumentos...

Peter Duesberg é um pesquisador do mais alto renome, sendo os seus artigos e idéias são conhecidos por muitos cientistas da área. Entre os muitos artigos publicados por Duesberg, existe um muito interessante no qual ele afirma que a aneuploidia é o principal fator determinante na origem do câncer. Em 2007 uma das revistas mais aclamadas do meio científico, a famigerada Nature, veio a publicar esse artigo, que embora não seja o artigo de Duesberg, reforça ainda mais sua credibilidade, provando que estava certa a teoria sugerida no seu artigo inicial.

Toda a ciência é baseada em fatos e comprovações científicas... Então não adianta escreverem comentários como "Isso é besteira" "Isso é ignorância" "Você não sabe o que fala" e outras coisas piores. Eu quero bons comentários, se possível com links para artigos científicos publicados. A opinião leiga é muito bem vinda, porém ela não ajuda muito quando o assunto se trata de uma discussão científica.

Nenhum dos cientistas e pesquisadores os quais eu tenho contato foram capazes de refutar alguns argumentos, de fato muito bons, que Peter Duesberg usa em seu favor, como por exemplo a causa multifatorial de doenças - A ciência como ela é hoje, acredita que são vários os fatores que podem desencadear uma patologia, seja ela qual for. Atribuir a causa da AIDS somente a um único vírus, excluindo assim toda e qualquer outra possibilidade de causa é um erro sério cometido pela comunidade científica no estado em que se encontra hoje. Só para o leitor entender, é como se, derrepente, a hepatite fosse causada somente por um único vírus. E como seriam classificadas as inflamações do fígado causadas por medicamentos, intoxicações, alimentação inadequada, etc? - Só para esclarecer, a hepatite como exemplo citado, pode acontecer devido a muitos vírus diferentes, intoxicações alimentares, excesso de medicamentos e outros fatores.

Outro argumento no mínimo interessante que Peter Duesberg utiliza é a questão do Postulado de Koch, que é um conjunto de quatro regras básicas dentro da Microbiologia que são utilizadas quando se deseja estabelecer uma relação entre um microorganismo causador de doença transmissível e a própria doença em questão. No nosso caso aqui o HIV e a AIDS.

A 1º regra diz o seguinte: "A presença do agente deve ser sempre comprovada em todos os indivíduos que sofram da doença em questão e, a partir daí, isolada em cultura pura." - A medicina, como já foi dito, não consegue explicar os mais de quatro mil casos de AIDS onde não é possível a identificação dos anticorpos para o HIV - note que existe apenas a busca por uma proteína (anticorpos) e não pelo vírus em questão.

2º "O agente não poderá ser encontrado em casos de outras doenças."

3º "Uma vez isolado, o agente deve ser capaz de reproduzir a doença em questão, após a sua inoculação em animais experimentais." - Após serem contaminados com o HIV, o tempo para que um indivíduo venha a desenvolver AIDS é muito longo e em muitos casos, a doença nem se manifesta. Existem casos em que pessoas infectadas combatem naturalmente o vírus sem que seja necessária nenhuma medicação, como diz a famosa revista Galileu nessa reportagem. Esse fato é noticiado com frequência pelo mundo e não é novidade no meio médico e científico.

4º "O mesmo agente deve poder ser recuperado desses animais experimentalmente infectados e de novo isolado em cultura pura."

Como mostrado acima, o HIV não consegue seguir as regras básicas da pesquisa em microbiologia. Fato que é ignorado por muitos pesquisadores.

Há muito tempo, eu venho procurando artigos que correlacionem o vírus causador da Hepatite C (HCV) e infecções acidententais no ambiente de trabalho e essas mesmas correlações com respeito ao HIV e infecções causadas também por acidentes de trabalho. Eu já achei alguns artigos que correlacionam a infecção por HCV e acidentes, mas até hoje ainda não achei nenhuma estatística relevante para acidentes de trabalho que causem infecções por HIV. O que Peter Duesberg quer dizer quando coloca esse argumento, é que ambos os vírus (tanto o HIV como o HCV) possuem a mesma virulência e são transmitidos exatamente da mesma forma: contato sexual, transfusão de sangue, seringas contamindas, etc. Sendo assim, como é possível que praticamente não existam casos de contaminação por HIV em acidentes de trabalho? Já os casos de contaminação por HCV são relativamente comuns em hospitais. Como isso pode ocorrer com dois vírus de características muito parecidas?

Bom... Esses e outros argumentos podem ser encontrados nos papers originais escritos por Duesberg e se encontram a disposição para qualquer um que tiver interesse o suficiente para verificar... O endereço do site de Peter Duesberg é este: http://www.duesberg.com/

E pra terminar, venho dizer que eu não sou a favor e muito menos contra as idéias que Peter Duesberg coloca e acima de tudo eu sou grande entusiasta do questionamento científico, argumentos relevantes e uso do método e ética científicas, ética que foi claramente colocada de lado quando a comunidade científica ignorou e boicotou de forma imperdoável um colega que apenas fez o que a humanidade não pode nunca deixar de fazer. Questionar sempre.

8 comentários:

  1. muito boa resposta. Penso semelhante. Imagino que os fatos devem ser esclarecidos à luz da ciência e do bem e velho método científico. Até porque contra provas não há argumentos.

    ResponderExcluir
  2. oi, passei pra conhecer o blog, e desejar boa semana
    bjs

    aguardo sua visita :)

    ResponderExcluir
  3. galileu tambem foi calado, diante da "santa inquisição",que não permitia questionamento de seus dogmas, aniquilando e privando todos das veracidades universais. Ridículo que em pleno seculo XXI, em plena era de conhecimento,ainda ergam muros,evitando debates de grande valia para a humanidade.

    ResponderExcluir
  4. Tomo os medicamentos a quase dois meses,tenho sentido um cheiro forte de veneno sair do meu corpo,meu estômago e fígado estão sendo afetados,não sou usuária de drogas,legais ou legais,sempre me alimentei bem,e agora o médico vem me dizer que provavelmente tenho hiv a mais de cinco anos,então peguei no primeiro beijo com 18 anos anos,e não na primeira penetração vaginal com vinte e seis anos.Difícil entender que a carga viral possa diminuir ao longo do tempo se nunca tive os sintomas da aids de uma só vez,a diarréia somente tive depois que comecei com a medicação e isso é muito estranho.

    ResponderExcluir
  5. hola! Eu realmente gostei deste blog

    ResponderExcluir
  6. Bárrrbaro. Arrsou na publicação. Questionar é preciso, afinal é isso que nos torna racionais. Li as publicaços de Duesberg e fiquei chocado com tantas incoerências e falhas ao logo da história do Hiv-Aids. Realmente é muito triste saber o quanto somos manipulados e que aos olhos dos grandes capitalistas milhões de vidas humanas não significa nada.

    ResponderExcluir
  7. Uma dúvida: O postulado de Evans não seria a explicação que o de Koch não conseguiu exclareçer, para a patologia do vírus hiv?

    Gostaria de saber sua opnião, escreva pra mim.

    foo_hee@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. A hipótese de Duesberg atesta que o HIV não foi isolado (o que não atenderia um dos postulados de Koch). Parece que Duesberg esqueceu da existência de um banco de proteínas cristalografadas. Nesse banco- PDB (protein data bank) já estão disponíveis para consulta algumas proteínas do HIV: TR, Nef, Gag, Pol, Tat e por ai vai.

    Alguns agentes infecciosos (vírus e bactérias), não obedecem todos os postulados de Kock, por não serem cultivados em meios artificiais:

    Treponema pallidum (sífilis) Mycobacterium leprae (lepra) Riquétsias e vírus (multiplicam-se somente dentro das células)

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário sobre essa postagem.