terça-feira, 12 de agosto de 2008

Por dentro dos novos tratamentos com células-tronco - Parte 5

Coração

O MAIOR ESTUDO com células-tronco adultas já realizado no mundo é brasileiro. O trabalho, financiado pelo Ministério da Saúde, envolve 1.200 pacientes de quatro tipos de problemas cardíacos. O estudo deverá acabar em 2008. “Se for comprovada a eficácia da técnica, ela poderá ser oferecida pelo Sistema Único de Saúde”, diz Antonio Carlos Campos de Carvalho, coordenador do trabalho. Com a adoção do método, o Ministério da Saúde espera economizar R$ 600 milhões por ano com transplantes, internações e cirurgias.
Metade dos pacientes recebeu a injeção de células-tronco retiradas da própria medula óssea. A outra metade recebeu uma solução sem fim terapêutico (placebo). Nem os médicos nem os pacientes sabem quem pertence a cada grupo. O objetivo é comprovar os resultados obtidos em estudos anteriores, como o conduzido pelo pesquisador Ricardo Ribeiro dos Santos, da Fiocruz, em Salvador.


1. Cérebro - A maioria das células-tronco neuronais é encontrada no cérebro. Elas também existem na medula espinhal


2. Pulmão - Os cientistas acreditam que existam diferentes populações de células-tronco nos pulmões. A identidade de algumas delas é controversa

3. Coração - Raras células-tronco cardíacas foram descobertas perto do átrio, a câmara superior do coração

4. Fígado - Células-tronco hepáticas substituem células velhas e se multiplicam rapidamente quando o órgão é danificado

5. Intestino - Células-tronco produzem milhares de novas células intestinais a cada dia. Elas substituem células danificadas durante o processo de digestão

6. Medula óssea - Aqui ficam as células-tronco mais potentes, capazes de se transformar em vários tecidos. Elas são produzidas dentro dos ossos e viajam pelo organismo através do sistema circulatório. Os cientistas brasileiros estão testando terapias baseadas nessas células em pacientes de: Doença de Chagas,Cirrose hepática, Diabetes, Insuficiência cardíaca, Necrose óssea, Derrame, Esclerose múltipla

7.Músculos - Traumas e lesões provocados pelo excesso de exercício induzem as células-tronco a regenerar os músculos.

Nesse estudo, de 2003, 30 pacientes que sofriam de insuficiência cardíaca provocada pela doença de Chagas receberam injeção de células-tronco retiradas da própria medula. As células foram injetadas na artéria femoral por meio de um cateter e seguiram até as artérias coronárias.
Segundo Santos, a qualidade de vida dos pacientes melhorou. A falta de ar diminuiu, e eles puderam retomar suas atividades normais. Novamente, os cientistas estão no escuro. Não têm certeza sobre como as células-tronco agem no coração. As hipóteses levantadas até agora são baseadas em estudos com animais. “O efeito mais importante das células da medula no coração foi secretar enzimas que digerem a cicatriz causada pela doença de Chagas”, diz Santos. Com uma cicatriz menor, o coração é capaz de contrair de maneira mais eficiente e de bombear sangue para o corpo.
As células-tronco também parecem fazer diferença em pessoas que acabaram de sofrer infarto. O cardiologista Hans Fernando Dohmann, diretor-científico do Hospital Pró-Cardíaco, no Rio de Janeiro, coordena uma pesquisa com 300 pacientes. Metade recebe o tratamento convencional, conhecido como angioplastia. A outra metade recebe o mesmo tratamento e também o implante de células-tronco. Os pesquisadores querem confirmar os bons resultados de um estudo anterior, realizado com 50 voluntários. “Depois de seis meses, os pacientes que receberam as células-tronco tiveram a capacidade de contração do coração aumentada em 6% em relação aos pacientes que receberam tratamento convencional”, diz Dohmann.
Parece pouco, mas na prática pode fazer diferença. Pelo menos é o que conta a supervisora comercial Nádia Neves de Lima, de 49 anos. Ela sofreu um infarto em 2005, apesar de ter uma dieta saudável e de fazer exercícios. Para os médicos, o problema pode ter sido causado por estresse (ela trabalhava demais), herança genética (o pai morreu de infarto) e por um péssimo hábito (Nádia fumava dez cigarros por dia havia 20 anos). Levada rapidamente pelo filho ao hospital, recebeu implante de dois stents – uma prótese metálica para manter a artéria desobstruída – no coração. Alguns dias depois, foi convidada a participar do estudo. Células-tronco de sua medula foram aplicadas no coração, por meio de um cateterismo.
Hoje, ela diz que se sente muito bem. Não tem certeza se as células-tronco foram benéficas. Mas acha que sim. “Talvez o implante tenha reduzido as chances de um novo infarto”, diz. Segundo o cardiologista Dohmann, é possível que isso aconteça, mas não há dados científicos que comprovem essa hipótese. Apesar de ter recebido o implante, Nádia não se livrou dos remédios. São cinco ao todo: vasodilatadores, anticoagulantes e medicamentos para combater colesterol. Ela passou a controlar ainda mais sua dieta. Mas a mudança mais radical – e talvez mais benéfica – foi ter abandonado o cigarro.

As limitações da técnica:
- Não se sabe como pacientes em estágios iniciais de doença de Chagas reagiriam ao tratamento.
- No caso de infarto, a técnica não serve para pacientes que precisaram usar respirador para manter o funcionamento do coração.


3 comentários:

  1. EU MORO EM RIO BRANCO ACRE. EU SOFRI 1 ACIDENTE D MOTO EU FAÇO TRATAMENTO NO SARAH DE SÃO LUIS DO MARANHÃO SO MAIOR D IDADE..EU ESTOR DISPOSTO A FAZER PESQUISA COM AS CELULAS IBRIONARIAS OSEAS NA MEDULA A ESTAR COM 6 ANOS O MEU ACIDENTE EU ESTOR DISPOSTO A QUALQUER PESQUISA TELEFONE 068 9206.3067

    ResponderExcluir
  2. Tenho insuficiência cardíaca progressiva desde que sofri um IAM em 1996. Depois disto tive uma fibrilação ventricular (2009) e implantei um desfibrilador e marca-passo. Posteriormente, em 2010, com problemas ainda de esquemias realizei um cateterismo e , em consequência, coloquei dois stents (Ascendente anterior e Circunflexa) e um balão na coronária direita.
    Recentemente(uma semana) fiz uma cintilografia e o resultado apresentou ausência de isquemia, mas uma fração de ejeção do VE muito piorada dos resultados anteriores. Em ecocardiograma há três meses apontava 38% e na cintilografia a FEVE foi de 22%.
    Ora, sei que o resultado do ecocardiograma é apenas estimado, quando se trata de ser inferior a 40%. Mesmo assim fico na dúvida se a insuficiência está progredindo muito ma9s rápidamente que nos últimos meses, sempre constatada por ecocg, portanto com os resultados duvidosos.
    Já utilizo todos os medicamentos para minorar e retardar o problema e agora penso em, se for possível no Brasil, fazer o tratamento com células tronco.
    Faz algum tempo lí numa revista Veja que um paciente foi submetido a este tratamento com sucesso, e acho que foi algo experimental realizado pelo INCOR, não sei bem.
    Agradeço se puder me dar alguma orientação,
    E mail: py4vb@terra.com.br
    Grato
    Claudio Meirelles Santos

    ResponderExcluir
  3. Quando que sera feito com os rins?

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário sobre essa postagem.